Páginas

domingo, 11 de setembro de 2011

Tira-dúvidas sobre alisamento

Lendo a minha revista You Brasil de Agosto, achei uma reportagem especial bem completa sobre alisamentos. Como a reportagem é realmente muito extensa, resolvi reproduzir pra vocês algumas partes que achei mais interessantes, para ajudar a eliminar algumas dúvidas sobre os tipos de alisamento e como eles agem nos fios.
Vamos lá!


"As chamadas cadeias polipeptídicas, responsáveis pela força e elasticidade dos fios, são o foco dos alisantes. Elas são formadas por três pontes: de hidrogênio, salinas e dissulfeto. As pontes de hidrogênio são as mais fracas e se rompem facilmente - até a água consegue quebrá-las. Quando os cabelos secam, elas se formam novamente. Já as pontes salinas podem ser quebradas com o uso de ácidos fracos, mas se regeneram depois de algum tempo. Elas são rompidas na escova modeladora com o secador e nas progressivas. As mais fortes são as pontes de dissulfeto, que se destruídas por alisamentos permanentes, não se formam outra vez. Os hidróxidos são os principais ativos capazes de romper as pontes de dissulfeto. Eles podem ser de sódio, de lítio ou de guanidina. O hidróxido de cálcio não entrou na lista porque precisa de carbonato de guanidina para ser ativado, resultando no hidróxido de guanidina."
"Ativos que agem na estrutura dos fios
Hidróxido de Sódio: Por ser o mais potente dos três tipos de hidróxidos, seu tempo de ação deve ser menor. O cabelo precisa estar bastante resistente para recebê-lo. É indicado para fios extremamentes crespos e indisciplinados. Por isso é escolhido quando se fala em cabelos étnicos. É preciso que o profissional tenha bastante conhecimento técnico, ou o resultado será fios espigados e sem balanço. O couro cabeludo também pode sofrer com irritações e o risco de incompatibilidade com outras químicas é grande. O ideal é escolhê-lo para cabelos virgens.
Hidróxido de Guanidina: Mais versátil que o hidróxido de sódio, permite desde a soltura de cachos até o alisamento total. O tempo de ação é mais lento, o que traz maior segurança ao processo. Pode ser usado sobre químicas anteriores e até em fios coloridos.
Hidróxido de Lítio: O tempo de pausa é lento, mas age de maneira semelhante ao hidróxido de sódio. É preciso bastante cautela e baixas concentrações para utilizá-lo em cabelos descoloridos ou com mechas. Nesses casos, já que os fios estão sensibilizados, a base onde é incorporado deve ser extremamente emoliente e hidratante.
Trigliconato de Amônia: Trata-se, também, de um alisamento definitivo, pois age no córtex para quebrar as pontes de dissulfeto. É uma química com resultado mais suave que os hidróxidos, portanto recomendada para quem precisa tirar o volume ou alisar sem abrir mão do movimento. Por ser o mesmo composto químico da maioria das colorações, ele é compatível com cabelos coloridos.
Carbocisteína: A cisteína já faz parte da fibra capilar, mas neste caso, foi carbonatada, ficando com pH mais alto. Há controvérsias em relação à substância. Muitos fabricantes vêm adicionando alisantes extra fortes para conseguir resultados mais lisos, porém com riscos à saúde, conforme esclarece a dermatologista Leila Bloch."

Então, o importante mesmo é pesquisar muito bem sobre qual produto usar no seu cabelo, de preferência com a ajuda profissional de confiança. Nada de fazer loucuras, heim?

Tem mais alguma dúvida? Pode perguntar!
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário